Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

25
Out 12

Em 2012, a Alemanha vai ultrapassar a China no volume de excedente externo, colocando-se como o país líder mundial neste indicador (175 mil milhões de euros). A Alemanha acumulou excedentes externos de mais de 1 bilião de euros na última década. O estatuto de país "excedentário" tem sido visto como um instrumento de poder geopolítico e não é encarado, de modo algum, como uma expressão de importantes desequilíbrios que desestabilizam atualmente a zona euro e a União Europeia e que são uma ameaça para a economia alemã no longo prazo.

Em conflito estão as virtudes da exportação e os vícios dos défices. O problema é que num sistema fortemente interligado, como é a zona euro, os dois lados - excedente e défice - estão diretamente interligados.

Atualmente a Alemanha detém um nível de exportação elevado. Mas os trabalhadores alemães não ganharam nada de substancial em termos de rendimento numa década. Os lucros estão em níveis recorde, mas, como as empresas alemãs se globalizaram, o investimento saiu da economia alemã. O investimento em capital na economia alemã está em níveis mínimos recorde. Desde 2000, o investimento líquido na economia alemã em termos de percentagem do PIB está no nível mais baixo de sempre, historicamente registado, excluindo, naturalmente, o período da Grande Depressão. Estes são os calcanhares de Aquiles do modelo alemão.

Os países excedentários não ganham nada a longo prazo com a sua posição de recusa de cooperação com os deficitários. O sistema que permitiu a certos países acumularem excedentes está a caminho do ponto de colapso. Sem cooperação, sobretudo por parte dos países excedentários, um sistema rígido, como é hoje o da Zona Euro implica uma forte cooperação, ou, então, o melhor é quebrar o sistema de câmbios fixos.

A catástrofe económica alemã a que se chegou em 1933 e a intransigência da França sobre as reparações relativas à 1ª Guerra Mundial, catapultaram o partido Nazi para o poder e mergulharam, depois, a Europa em nova guerra. Este é o período da história alemã do século XX em que se devem procurar lições para hoje. Mas quer-me parecer que ninguém quer estudar essas lições históricas.

publicado por franciscofonseca às 19:44
sinto-me:

Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
17
19
20

21
22
23
24
26
27

29
30
31


TIME
Google Analytics

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

10 seguidores

pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
VISITANTES
blogs SAPO