Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

18
Nov 12

Existe uma velha máxima que diz: quem sabe fazer, faz; quem não sabe, começa a tentar explicar porque é que não se pode fazer. É nesta lógica que os governantes atuam perante os graves problemas que o país tem de enfrentar. Existe uma boa definição para “Insanidade: continuar a fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes” (Albert Einstein).

A realidade vivenciada por cada um de nós é resultado último daquilo em que acreditamos e de como consequentemente nos comportamos, ou seja, a nossa situação é resultado daquilo que coletivamente acreditamos. Portugal com uma cultura latina é uma nação sem memória coletiva e assim sendo a desresponsabilização é completamente aceitável na nossa sociedade. O Estado português é o campeão da desresponsabilização.

Vejamos o que o Estado português está a fazer com o aumento colossal da carga fiscal, está a punir de forma generalizada todos, seja-se ou não culpado da situação deficitária, está a desresponsabilizar quem originou esses problemas. Isto só vem favorecer os chicos espertos, que tiveram comportamentos impróprios e que agora se aproveitam da confusão geral, para contribuir com menos do que devem para resolver o problema.

Não nos podemos esquecer que não se fazem os pobres ricos fazendo os ricos pobres. A igualdade promove-se com o mesmo nível do acesso a oportunidades, e responsabilizando cada um pelas escolhas e opções que toma face a essas oportunidades. Assim, não com este aumento brutal da carga fiscal que se resolvem os problemas coletivos de Portugal; isso apenas serve para diminuir a capacidade de consumo e rebaixar o nível de vida de uma população inteira.

A correção do défice económico não origina uma correção no défice de atitude e de responsabilização. Quem originou esta divida nunca será responsabilizado e o Estado e os governos não estão interessados em resolver os problemas a montante, isto é, nas estruturas que originaram as dívidas. Normalmente é mais fácil punir quem ganha, quem poupa e quem investe, do que assumir as responsabilidades e culpabilizar quem esbanja.

publicado por franciscofonseca às 22:57
sinto-me:

Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

19
21
22
23

25
26
28
29
30


TIME
Google Analytics

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

10 seguidores

pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
VISITANTES
blogs SAPO