Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

14
Abr 13

A Alemanha colocou nos mercados, na passada segunda 3500 milhões de euros de dívida pública a seis meses, à taxa de juro média de 0,0002%, a mais baixa da história. A emissão do Bundesbank foi um sucesso, pois os alemães irão pagar de juros 3500 euros de juros a 6 meses, ou seja, uns trocos por uma batelada de dinheiro. Imaginem que o governo português pudesse ir buscar a mesma quantidade de dinheiro com os mesmos juros, o problema do Orçamento de Estado e da dívida portuguesa seria muito mais fácil de resolver e os portugueses não teriam de passar por estes sacríficos e por aqueles que ainda estão para vir.

Muito brevemente, Portugal irá aos mercados para colocar uma quantia de bilhetes do tesouro a 6 meses. Como a dívida portuguesa está a ser comprada por especuladores e tendo em conta as rendibilidades mais recentes das várias maturidades, os credores especulativos deverão exigir 1% de juros, isto é, pela mesma quantia alemã, os portugueses vão pagar 17,5 milhões de euros em juros a 6 meses. Isto quer dizer que pagaremos 5 mil vezes mais juros do que a Alemanha, pela mesma quantidade de dinheiro. Uma barbaridade, simplesmente surreal e impossível de prosseguir neste caminho.

No equilíbrio económico, para uns estarem bem, outros têm de estar mal, parece ser este o lema da zona euro. A chanceler Angela Merkel aproveita a crise da dívida e continua assim a financiar-se com custos mais baixos da sua história, conseguindo financiamentos quase gratuitos, quando os países do Sul da Europa e a Irlanda vivem em dificuldades financeiras. Dentro da União Europeia considero pornográfico e inaceitável que uns países possam financiar-se a 6% enquanto outros se financiam praticamente a 0%.

Estes episódios demonstram como a Zona Euro está fraturada internamente entre os países do euro forte, do norte da Europa e os periféricos, do euro fraco, cujo custo de acesso aos capitais de que necessitam não traduz o risco real de incumprimento que sobre eles paira devido principalmente à especulação que é exercida pelos mercados. Portugal está num fosso intransponível, pois o mesmo se passa em relação a banca comercial. Na mesma Zona Euro, a banca na Alemanha cobra por um milhão de euros juros de 1% e a banca portuguesa pelo mesmo milhão de euros cobra cinco vezes mais de juros. Qual é a empresa que estará interessada em investir em Portugal, onde o acesso ao capital é muito mais caro e os impostos mais elevados. Para que exista crescimento económico estas duas variantes terão de mudar radicalmente, caso contrário continuaremos a cavar o fosso. A união dos países periféricos contra esta petulância dos nórdicos é urgente, para acabar com este estado sentido imoral.

publicado por franciscofonseca às 22:44
sinto-me:

Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
26
27

28
29
30


TIME
Google Analytics

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
VISITANTES
blogs SAPO