Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

25
Abr 13

Hoje comemora-se o 39.º aniversário do dia da liberdade. Antes do 25 de Abril de 1974 este blog seria assinalado com o lápis azul. A todos aqueles que lutaram, à sua maneira, pela alteração do regime, por um Portugal desenvolvido, moderno e livre, aqui deixo o meu tributo. Penso que a comunidade política vigente não presta o devido reconhecimento, aos responsáveis pela instituição dos valores democráticos e de liberdade.

Muitos dos valores de Abril estão a perder-se, para uma sociedade bipolarizada, onde apenas existem os muito ricos e os muito pobres. Para os últimos, os valores democráticos e de liberdade estão completamente comprometidos. Por outro lado, desde 1974 que todos ouvimos falar em reformas. A mais falada desde sempre é a reforma do Estado. Mas muito se tem falado também nas reformas do sistema judicial, na reforma do sistema fiscal, na reforma do sistema de ensino, na reforma da segurança social e na reforma do sistema nacional de saúde.

Curiosamente, todas estas reformas têm sido adiadas pelos sucessivos governos, pois os grupos de interesses instalados e infiltrados no aparelho estatal têm travado todas e quaisquer tentativas, o que tem contribuído largamente para se ter chegado à grave situação de emergência, em que nos encontramos. Penso que é chegada a hora de começar a falar na reforma do sistema democrático.

Todas as reformas necessárias e prometidas não têm passado dos discursos e dos debates. Portugal necessita de profundas reformas com vista a alcançar níveis de desenvolvimento económico, social e político, que permitam viver numa sociedade mais próspera, democrática e livre. Mas para que isso suceda são necessários líderes sem amarras ao poder financeiro e aos interesses instalados. 

Portugal é um país cheio de história, mas somos um povo sem memória coletiva. Hoje, vivo num país sem cultura democrática, num país onde os seus jovens têm de emigrar em busca de alternativas, que satisfaça as suas aspirações e que os livre do sentimento de inutilidade. Enquanto não formos capazes de criar oportunidades para a maioria dos nossos jovens, não haverá reformas que nos valha, seremos um país com baixa autoestima, com o futuro adiado e seriamente comprometido.

publicado por franciscofonseca às 10:29
sinto-me:

21
Abr 13

A crise da moeda única está a entrar no seu quarto ano de história e nem os mais otimistas conseguem vislumbrar o seu fim. No início da epopeia era só a crise da dívida grega, mas logo os mercados especulativos se viraram para outras paragens, como Portugal, Irlanda, Itália e Espanha, dando origem ao que se passou a designar por PIIGS, nos países anglo-saxónicos. Com a entrada do Chipre de da Eslovénia para este clube, o acrónimo teve de ser aumentado para SIC(K)PIGS, ou seja, porcos doentes.

Penso que muito brevemente será necessário acrescentar mais vogais, pois se a Europa continuar neste caminho desastroso, outros países necessitarão de ser intervencionados, pois os mercados financeiros são como os abutres, não se importando com o sabor da carne.

A Europa sem uma união fiscal e bancária jamais conseguirá sair desta crise e sem isso a união monetária não funciona. A falha redundante em políticas cada vez mais radicalizadas continuam a agravar a crise de alguns países e a arrastar outros para o centro do turbilhão financeiro.

A zona euro está mergulhada num ciclo vicioso que arrastará os países para a falência em massa. O BCE estabelece uma única política para os 17 membros, mas as realidades dos países são completamente distintas, nomeadamente os salários, onde nos países do norte são mais elevados. Desta forma os países do sul são empurrados para uma economia com pouco dinheiro, economias esquecidas, tudo em nome da inflação. O euro transformou-se num pacto suicida de austeridade, que tem conduzido ao desastre, pois as dividas dos países aumentaram, pelo fato de reduzirem mais o crescimento do que os custos com os empréstimos.

Por outro lado, os países do sul estão a ser empurrados para a depressão e os do norte para a recessão, uma vez que metade do comércio da zona euro é feita entre os seus membros. Assim, como a retoma dos países do sul depende nas exportações, estes países vão continuar a cavar o seu buraco ainda mais fundo.

As políticas económicas são desenhadas pelo bloco do norte da Europa, que até agora apenas tem tomado medidas para evitar uma hecatombe, baseadas no controlo da inflação. Mas a pressão que está a ser feita nos países do bloco do sul estrategicamente, poderá fazer com que os países do sul cheguem à conclusão que não existe qualquer esperança de recuperação no interior da zona euro. Nessa altura, a Europa não necessitará de mais acrónimos, para tristeza dos países anglo-saxónicos.

publicado por franciscofonseca às 13:35
sinto-me:

14
Abr 13

A Alemanha colocou nos mercados, na passada segunda 3500 milhões de euros de dívida pública a seis meses, à taxa de juro média de 0,0002%, a mais baixa da história. A emissão do Bundesbank foi um sucesso, pois os alemães irão pagar de juros 3500 euros de juros a 6 meses, ou seja, uns trocos por uma batelada de dinheiro. Imaginem que o governo português pudesse ir buscar a mesma quantidade de dinheiro com os mesmos juros, o problema do Orçamento de Estado e da dívida portuguesa seria muito mais fácil de resolver e os portugueses não teriam de passar por estes sacríficos e por aqueles que ainda estão para vir.

Muito brevemente, Portugal irá aos mercados para colocar uma quantia de bilhetes do tesouro a 6 meses. Como a dívida portuguesa está a ser comprada por especuladores e tendo em conta as rendibilidades mais recentes das várias maturidades, os credores especulativos deverão exigir 1% de juros, isto é, pela mesma quantia alemã, os portugueses vão pagar 17,5 milhões de euros em juros a 6 meses. Isto quer dizer que pagaremos 5 mil vezes mais juros do que a Alemanha, pela mesma quantidade de dinheiro. Uma barbaridade, simplesmente surreal e impossível de prosseguir neste caminho.

No equilíbrio económico, para uns estarem bem, outros têm de estar mal, parece ser este o lema da zona euro. A chanceler Angela Merkel aproveita a crise da dívida e continua assim a financiar-se com custos mais baixos da sua história, conseguindo financiamentos quase gratuitos, quando os países do Sul da Europa e a Irlanda vivem em dificuldades financeiras. Dentro da União Europeia considero pornográfico e inaceitável que uns países possam financiar-se a 6% enquanto outros se financiam praticamente a 0%.

Estes episódios demonstram como a Zona Euro está fraturada internamente entre os países do euro forte, do norte da Europa e os periféricos, do euro fraco, cujo custo de acesso aos capitais de que necessitam não traduz o risco real de incumprimento que sobre eles paira devido principalmente à especulação que é exercida pelos mercados. Portugal está num fosso intransponível, pois o mesmo se passa em relação a banca comercial. Na mesma Zona Euro, a banca na Alemanha cobra por um milhão de euros juros de 1% e a banca portuguesa pelo mesmo milhão de euros cobra cinco vezes mais de juros. Qual é a empresa que estará interessada em investir em Portugal, onde o acesso ao capital é muito mais caro e os impostos mais elevados. Para que exista crescimento económico estas duas variantes terão de mudar radicalmente, caso contrário continuaremos a cavar o fosso. A união dos países periféricos contra esta petulância dos nórdicos é urgente, para acabar com este estado sentido imoral.

publicado por franciscofonseca às 22:44
sinto-me:

09
Abr 13

O maior défice de Portugal não é a dívida que todos temos às nossas costas, mas sim a falta de liderança. Vemos todos os dias os nossos políticos no jogo do ping pong das responsabilidades, pelo estado a que o país chegou. Os portugueses já não têm paciência nem qualquer interesse nesse jogo, acabando por dar mais atenção aos apanha-bolas, que agora viraram uma praga em todos os canais televisivos. Quando uma nação não tem liderança, como acontece a muitos anos em Portugal, os governos não têm ideias, não têm seguidores, não têm estratégia, não têm um rumo, não têm uma cultura de inovação e de mudança.

Os governos existem porque há pessoas, as políticas pressupõem pessoas, que devem ser o foco dos governantes, mesmo acima dos números. Os verdadeiros líderes têm que ser capazes de escutar, entender e envolver os cidadãos. Para tanto, precisam de se conhecer e conhecer muito bem a realidade interna e externa em que navegam.

Nestas condições, ao contrário do que os nossos governantes e políticos fazem, é possível vislumbrar oportunidades no meio das crises, vantagens em situações hostis como a que vivenciamos e criar uma cultura nacional que impacte o desempenho e a produtividade, que priorize o agir em vez do discurso de retórica, do qual estamos todos cansadíssimos. O poder da palavra é diferente da palavra do poder.

Hoje liderar um país, ainda mais nesta envolvente de incertezas, implica correr riscos, ousar, fracassar, propor e fazer mudanças. A maioria dos portugueses não é resistente à mudança. Eles resistem à dor da mudança e ao medo do novo, porque a comunicação e explicação das políticas é confusa, para que ninguém perceba o seu objetivo. É necessário pessoas nos lugares certos, fazerem uso de uma boa comunicação e alinhadas estrategicamente, para gerarem uma mudança sustentável. Desta forma ganha importância a eficiência operacional que levará à escala nacional.

Uma boa liderança de uma estrutura governativa é aquela que é capaz de causar dor e os cidadãos agradecerem. Um bom líder deve conseguir ver as vantagens em situações hostis, torná-las desafios e envolver toda a sociedade. Portugal precisa de alguém que corra riscos, que não tenha medo de fracassar, que explore o novo e promova mudanças profundas, sem interferência dos apanha-bolas. Que jogue sempre para ganhar, ao estilo do Mourinho, que crie vínculos com os cidadãos, que inspire gerações e se torne o porto seguro delas. Necessitamos de um líder que compreenda o contexto de atuação e as principais tendências sociais, económicas, políticas, técnicas, ambientais e demográficas, pois só dessa forma conseguirá definir o foco das suas políticas. Estou farto dos arrogantes que para com os fracos são fortes e perante os fortes têm sido muito fracos. Temos de arrepiar caminho urgentemente.

publicado por franciscofonseca às 18:52
sinto-me:

05
Abr 13

Existem fatores transformadores que estão na origem da decadência do poder político; são eles, a expansão do conhecimento, a mobilidade e a revolução das mentalidades. Por outro lado, os dirigentes partidários da esquerda e da direita sabem que o poder se encontra cada vez mais centralizado. Em muitos países, a crise financeira está a aumentar as desigualdades, com os plutocratas a enriquecerem cada vez mais, a classe média a desaparecer e os pobres a serem esmagados.

Hoje vivemos tempos em que o poder está a sofrer deslocalizações do Ocidente para o Oriente, de Norte para Sul, dos ministérios governamentais para as praças públicas e dos homens para as mulheres. Os governos estáveis começam a ser uma raridade, sendo mais fácil ganhar o poder, mais complexo de o exercer e cada vez mais difícil de o manter.

Em muitos países os partidos tradicionais estão a ser substituídos por novos, como acontece com o Independence Party no Reino Unido ou o Movimento Cinco Estrelas de Beppe Grillo na Itália. Assim, o poder político torna-se mais deslizante, o mundo está a ser governado por políticas de curto prazo, os políticos falham constantemente a resolução dos problemas de longo prazo, como por exemplo no desarmamento e nas alterações climáticas.

Estas dinâmicas de poder podem no futuro aumentar o espaço para ditadores, tiranos e monopólios de poder, ou resultar numa perigosa paralisia e estagnação das sociedades. Para combater estes perigos é necessário que surja uma vaga de inovação política e institucional. A incerteza e a instabilidade política dificultam os consensos entre os principais líderes mundiais, cada vez mais enfraquecidos, incapazes de impor a sua vontade perante o poder financeiro, falhando duramente na prevenção de conflitos fiscais e orçamentais, que resultarão em maior ineficiência e turbulência na governança global. Esta tendência perturbadora do sistema global muito menos resiliente implicará cada vez mais instituições nacionais e internacionais frágeis e enfraquecidas. Será que o poder político conseguirá ganhar novo folgo?

publicado por franciscofonseca às 16:14
sinto-me:

02
Abr 13

Na última década os excessos do poder financeiro provocam a ira das populações. O banco Goldman sachs tem um ativo de mais de 700 mil milhões de euros e aposta diariamente para obter mais lucros no mundo inteiro, pondo o dinheiro a circular 24 horas nos cinco continentes. De Frankfurt a Paris, de Londres a Washington a sua rede de tentáculos funciona em todo o mundo financeiro.

É um banco sem balcões, sem publicidade, sem rosto, que apenas tem clientes selecionados, como a Ford, a BP ou o FacebooK, ou então governos, como os Estados Unidos, China, Rússia. O Goldman sachs tem o mundo transformado em equações, de forma a saber o preço para tudo o que nos rodeia, empresas, Estados, indivíduos, assim apostam na subida ou na descida para obter o lucro máximo.

Os corretores do Goldman são ambiciosos, ricos e arrogantes e a sua principal missão é especular contra os seus próprios clientes, acumulando assim lucros de mais de 13 mil milhões de euros anualmente. Quando a bolha do imobiliário explode em 2007, a onda de choque ultrapassa as fronteiras de Wall Street. É o futuro de todo um sistema, o do capitalismo financeiro, que está em jogo. O Lehman Brothers foi eliminado do mapa devido ao golpe a que foi sujeito pelo Goldman sachs. O desaparecimento do rival proporcionou lucros obscenos em pleno auge da crise em 2008.

Hoje o Goldman sachs é um império financeiro, constitui um estado dentro do Estado, ou seja, dirige o mundo vergando os governos a seu belo prazer. O Goldman está bem representado em Washington e em todos as instituições importantes do mundo, no FMI, no Banco Mundial, no Banco Central Europeu. Mario Draghi, Lucas Papademos e Mario Monti são da família Goldman Sachs. As influências estendem-se desde a maré negra do Golfo do México, à crise das dívidas soberanas na Europa e do subprime nos EUA.

No caso do português também existe um familiar que da pelo nome de António Borges, ex-FMI, atual conselheiro de Estado para as privatizações e ex-dirigente do Goldman Sachs Internacional, de 2000 a 2008. De transparente isto pouco tem, ainda mais num mundo onde os governos estão fracos, os bancos fortes e os políticos estão nas mãos dos bancos. Estou certo que o Goldman Sachs tem interesses nas privatizações que estão para acontecer em Portugal e o conselheiro de Estado para as privatizações assegurará que tudo seja salvaguardado.

publicado por franciscofonseca às 22:38
sinto-me:

Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

22
23
24
26
27

28
29
30


subscrever feeds
TIME
Google Analytics

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

10 seguidores

pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
VISITANTES
blogs SAPO