Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Portugal tem um governo daltónico

por franciscofonseca, em 11.05.13

Sou levado a pensar que os nossos governantes são todos daltónicos. Assistimos, todos à degradação governamental, da política e dos políticos, mas todos se agarram ao poder como lapas, pois fora do governo são pessoas impreparadas, sem visão gestionária e sem experiência de vida. O património estatal e genético de Portugal continua a ser delapidado, com uma verborreia insalubre, em que tudo justifica os meios.

Penso que vivemos tempos de reflexão, de procura de respostas verdadeiras como os políticos do arco da governação depauperaram o país. Qual a nossa culpa como cidadãos de uma sociedade estruturada e democrática. As chagas dos nossos tempos como o desemprego, a pobreza, a crise dos valores e descentralização da dignidade da pessoa humana, carecem de uma urgente intervenção cívica de todos os portugueses.

Os lobbies partidários atrofiam os políticos que estão no poder, controlam as políticas e tiram os dividendos dessa pressão. As cadeiras partidárias são ocupadas consoante os interesses dos bancos e das grandes empresas. Fala-se há muito tempo em reformas estruturais, mas todos os políticos fogem delas, pois isso acabaria com os “tachos” que estão sempre reservados, quer na administração pública e nas empresas portuguesas.

É esta a principal razão pela qual não há competitividade interna. Nestes tempos de urgência social é necessário que todos os cidadãos sejam responsáveis, que as políticas e os políticos sejam responsabilizados, que o nosso parlamento e o sistema eleitoral sofram uma refundação, que as fortunas esporádicas sejam descortinadas, a favor de uma sociedade digna, equilibrada e centrada nas pessoas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:48


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D