Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

30
Set 11

Mais uma vindima se realizou com muito esforço e diversão, durante dois dias. A produção de 2011 foi excelente, quer em quantidade, quer em qualidade. Os mostos são graduados e muito encorpados, fazendo prever deliciosos néctares. Deixo algumas fotos para os leitores deste blog.

Aos 87 anos de idade ainda continua a ser o patrão da Quinta. Parabéns.

Aqui o patrão júnior com algumas dificuldades em manobrar a máquina, mas saiu-se bem!

As uvas vão ser processadas. As brancas directamente para as cubas de fermentação e as tintas para o lagar.

 

publicado por franciscofonseca às 19:18
sinto-me:

20
Set 11

Existem muitas definições para Estado falhado, uma das mais consensuais, da ciência política diz-nos, que um Estado falhado é aquele cujo respectivo governo não tem capacidade de controlo sobre a totalidade do seu território, ou não tem o monopólio do uso da força.

A avaliar pelos resultados do recente ranking da Fund for Peace, publicado anualmente na Foreign Policy, os países mais falhados são a Somália, o Sudão e o Chade. Em contraponto, a Suécia, Noruega e Finlândia são os que oferecem menos risco. Portugal ocupa o lugar 163ª posição entre 177 países. Esta classificação indica que os países do topo estão mais longe da sustentabilidade política, económica e social.

Esta classificação pode alterar-se a qualquer momento, pois as consequências globais da revolução árabe, que começou na Tunísia e depressa se espalhou para o Egipto, o Bahrein, a Líbia, o Iémen e a Síria, até ao momento ainda não estão completamente dissecadas.

Os confrontos a que assistimos ultimamente em Londres, constituem exemplos de como as consequências de uma agitação social, rapidamente pode inflamar outras regiões, com a difusão dos confrontos e apelos muito fortes para a violência urbana, que transformou a Inglaterra, momentaneamente num país falhado. O fenómeno da violência urbana, por regra, acontece em países em que existe um deficiente funcionamento dos mecanismos de controlo social, político e jurídico.

As medidas de austeridade que estão a ser impostas, na maior parte dos países europeus, vão fazer diminuir drasticamente os mecanismos de controlo, e por outro lado, os comportamentos criminosos, os tráficos, os gangs rivais, a corrupção, o desrespeito sistemático às normas de conduta estabelecidas, vão aumentar exponencialmente. Espero que a velha Europa, não se venha a transformar num conjunto de países falidos e alguns, mesmo falhados. A situação a que chegamos fica-se a dever à inexistência, de uma visão de médio e longo prazo, da parte de todos os políticos europeus.

publicado por franciscofonseca às 19:19
sinto-me:

17
Set 11

Os arquitectos do euro tiveram consciência dos riscos da moeda única, pois a solidez impulsionou os esbanjadores. Assim, nasceu o Pacto de Estabilidade e Crescimento de 1997, um método rígido, simplista, mas eficaz. A maior flexibilidade reclamada pelos estados membros tornou o euro muito mais frágil.

Se Portugal ainda tivesse o escudo, jamais nos teriam emprestado os milhões que agora nos sufocam, e já há muito tempo, os desequilíbrios orçamentais teriam sido forçosamente corrigidos. Curioso, a segurança que o euro constitui no meio da crise, foi a mesma segurança, que permitiu aos países cometerem os erros, que agora ameaçam a moeda única.

A história fala por si, qualquer moeda, multi-nacional é condenada a explodir quando há desequilíbrios nas economias de quem a partilha, como é o caso da União Monetária. Assim sendo, o euro não fugirá à regra, pois as diferenças culturais e económicas na Europa são enormes. O desnível das economias da zona euro é gigantesco. A bancarrota da Grécia é apenas o primeiro sintoma, outros se seguirão, como é o caso de Portugal, Irlanda, Itália, Espanha, Bélgica e França. As medidas e os planos de austeridade impostas aos países prevaricadores, apenas adiam o fim anunciado. Não vale apena adiar a agonia.

Parece teoria da conspiração, mas a verdade é que os Estados Unidos arquitetaram o euro, com a cumplicidade da Comunidade Europeia, com intenção de infectar a Europa, com o conceito americano de globalização e de lucro máximo a curtíssimo prazo.

A dívida americana é insondável, eles dissociaram o dólar do padrão do ouro, baixaram o valor do dólar em 98% relativamente à onça do ouro. Os EUA ao imprimirem montanhas de dinheiro, para desvalorizar o dólar, arriscam-se a uma terrível hiperinflação, seguida de uma depressão.

A queda da Europa e do euro ao charco, empurrará o mundo para uma segunda grande depressão, onde a ganância de ganhos financeiros rápidos será exterminada e substituída pela sobrevivência do capital. O dólar moribundo, com o desaparecimento do euro, continuará temporariamente vivo.

publicado por franciscofonseca às 18:40
sinto-me:

15
Set 11

Em nove meses de governação a presidente Dilma Rousseff perde o seu quinto ministro, por alegada corrupção. O ministro brasileiro do Turismo, Pedro Novais, demitiu-se devido à utilização de dinheiros públicos, para pagar a empregados domésticos. Os ministros da Agricultura, Defesa, Transportes e Relações Institucionais, também caíram, por suspeitas de práticas de corrupção.

Hoje, a sociedade brasileira debate se estas demissões constituem uma limpeza no governo, operada por Dilma, ou pelo contrário representam a fragilidade da sua administração.

É com alguma tristeza, que constato que a corrupção no Brasil é endémica, ou seja, ela faz parte do sistema político, da sua arquitectura, da forma como os três poderes se correlacionam. Este é o pecado original do Brasil, isto é, algumas franjas da sociedade servem-se dos dinheiros públicos. Serve-se o ministro, serve-se o governador, serve-se o deputado, serve-se o procurador, serve-se o polícia, serve-se o escrivão, serve-se o cunhado, e quase “todo o mundo” acaba por servir-se da coisa pública.

Dilma tem nas mãos um país que é o maior exportador mundial de ferro, carne, frango, açúcar, café e muito brevemente será um dos principais exportadores de petróleo. Actualmente, o Brasil está a ser invadido rapidamente por fluxos de capitais, que fez do real, uma das moedas mais supervalorizadas do mundo.

O custo de vida, a habitação, o aluguer de escritórios e os ordenados de gestores, em São Paulo e no Rio de Janeiro são mais elevados do que em Nova
York. O real muito valorizado faz temer o pior, ou seja, o Brasil perder mercado no exterior, aumento da inflação, aparecimento de bolhas de especulação financeira, o aparecimento de instabilidade social e o aumento da corrupção.

O capital que invade rapidamente um país, também pode abandoná-lo a mesma velocidade. Temo que o futuro que acaba de chegar seja breve. Está nas mãos dos governantes brasileiros não deixar fugir o futuro, e para isso a luta contra a corrupção deve ser um desígnio nacional.

publicado por franciscofonseca às 18:04
sinto-me:

12
Set 11

Ontem foi assinalado o 10º aniversário sobre os atentados terroristas de 11 de Setembro, de 2001, que mudaram o Mundo e principalmente a Nação dos Estados Unidos. Hoje, sem qualquer dúvida, vivemos num mundo caracterizado pela incerteza e circundado por diversas ameaças, que passam pela pobreza, as doenças infecciosas, a poluição a degradação do ambiente, as guerras civis e os conflitos entre Estados, a proliferação de armas nucleares, radiológicas, químicas e biológicas, o terrorismo, a criminalidade transnacional organizada.

A velocidade dos acontecimentos é cada vez mais acelerada. As guerras do Iraque, do Afeganistão estão em fase de estabilização vulnerável, não havendo previsões seguras, do que ainda poderá acontecer. As revoltas que estão a acontecer no mundo árabe, primeiro na Tunísia, Egipto, e mais recentemente na Líbia e na Síria poderão espalhar-se à Arábia Saudita e até ao próprio Irão. Os regimes totalitários ainda existentes vivem inseguros, com o medo da revolta popular. Já diz o velho ditado “o povo é quem mais ordena”.

A relação entre os direitos humanos e o Estado de direito tende a ser cada vez mais respeitada. Uma sociedade que não respeite os direitos humanos ou o Estado de direito, seja ela qual for e por melhor armada que esteja, manter-se-á vulnerável e o seu desenvolvimento, por mais dinâmico que seja, permanecerá precário. A este respeito tenho a certeza que os angolanos ainda vão escrever a sua própria história.

A geoestratégia mundial está em mudança, os Estados Unidos adoptam uma posição defensiva e de retaguarda, o que não deixa de ser uma novidade, nesta última década. A China cada vez mais influente no jogo estratégico condiciona toda a região asiática, incluindo o Japão. Veremos o que nos reserva o próximo decénio, mas não me restam dúvidas que as mudanças vão acontecer de forma ainda mais acelerada e surpreendente.

publicado por franciscofonseca às 19:08
sinto-me:

09
Set 11

O memorando assinado com a Troika traz as vantagens de obrigar os governantes, a retornarem à disciplina e equilíbrio das contas públicas, e reduz
o espaço aos políticos para se exibirem. Os detentores de cargos públicos ostentaram durante muitos anos, um bacoco e parolo riquismo, fundado em clubes de interesses, nomeadamente entre o sector financeiro e o Estado, que atiraram o nosso Portugal para a pré-insolvência.

Os vários apelos feitos pelos nossos governantes ao sacrifício e sofrimento deveriam ser acompanhados pelo julgamento dos verdadeiros culpados, e responsabilizados pela situação a que chegamos. A velha desculpa da punição do julgamento eleitoral é muito pouco, para as atrocidades cometidas na gestão da coisa pública. A desastrosa competência interessada criou avultadas gorduras públicas, para regozijo dos lobies políticos.

No sistema partidário, na governação, no parlamento, a meritocracia deveria ser a regra, onde os mais competentes deveriam ter assento, mas assistimos precisamente ao contrário, isto é, têm assento aquelas figuras de mérito e carreira partidária muito duvidosa. O resultado é a escandalosa infiltração de lugares, ordenados chorudos acima dos praticados nos países mais ricos, regalias e mordomias vergonhosas à custa dos dinheiros públicos.

Vivemos tempos de grande exigência, a situação volátil e de incerteza devido à globalização requer que os mais preparados conduzam os destinos do país e não quaisquer uns, sem qualquer preparação, que nunca geriram coisa alguma, como tem acontecido e temo que continue a acontecer.

A classe política esqueceu-se de forma intencional, que uma sociedade equilibrada e próspera é aquela onde a ética, os valores, o rigor nos estudos e no trabalho, os deveres e os direitos, a família e o bem comum, são na realidade os verdadeiros pilares de uma sociedade saudável, livre da corrupção, do tráfico de influências, da ganância financeira e do consumismo, que só fomentam, cada vez mais, as desigualdades sociais.

publicado por franciscofonseca às 16:48
sinto-me:

06
Set 11

No mundo actual, mais de metade da população mundial vive nas cidades. Estas pessoas dispõem de uma vasta oferta cultural, tecnológica e energética. Os ritmos do quotidiano são muito acelerados, devido às exigências profissionais e familiares. Hoje, sabe-se que muitos distúrbios mentais provêm do estilo de vida urbano. Os cidadãos tendem a ter níveis mais elevados de stress, de alterações de humor e de doenças psicóticas e cardiovasculares, comparativamente aos que vivem em zonas rurais.

Os citadinos para além do stress estão mais expostos a sentimentos de ansiedade, de medo, em resultado das ameaças, que advêm da maior incerteza da vida, nas grandes metrópoles. Veja-se o caso norte-americano, onde existem 125 milhões de pessoas, cerca de 45% da população com doenças crónicas depressivas, que consomem 80% dos 1.9 triliões de dólares gastos nos sistemas público e privados de saúde, dos Estados Unidos, que já corresponde a 20% do PIB.

O mito de que quanto maior for a exposição das pessoas ao stress, maior é a adaptabilidade, mais tolerantes e imunes ficam, é completamente erróneo.

Manter o equilíbrio no que respeita ao stress é uma tarefa cada vez mais difícil nos tempos que correm. Os citadinos são hoje confrontados com períodos de trabalho mais alargados, mais intensos e têm mesmo que saber desligar. O que é fácil de dizer, mas nem sempre fácil de fazer.

O resultado desta equação é fácil de obter, na conjuntura actual. Maior incerteza, leva ao aumento do stress, maior stress leva ao aumento das doenças crónicas e da improdutividade, maior improdutividade leva à diminuição da riqueza do país e maior número de doenças crónicas, contribuem para o aumento da despesa do Estado. Senhores governantes, um dos grandes segredos para uma boa governação é não aumentar as incertezas das populações, se possível diminuí-las.

publicado por franciscofonseca às 19:05
sinto-me:

03
Set 11

A chanceler Angela Merkel desabafa e primeiro-ministro Passos Coelho manietado. Este governo prometeu que ia reformar tudo, mas a única coisa que fez até agora foi subir impostos. É fácil cortar, difícil é cortar cirurgicamente, onde existem as chamadas gorduras localizadas, mas por vezes difíceis de cortar, por se encontrarem bem camufladas, pelos lóbis e grupos de interesse, que capturaram os ministérios. Há muito tempo que o governo anda a tentar cortar, mas corta onde pode e não onde deve.

Os lóbis a que me refiro são a banca, a construção civil, os médicos, os professores, os funcionários públicos e algumas câmaras do país, que minam e interrompem o ciclo da implementação das políticas públicas, em Portugal são raras as políticas que cumprem o seu ciclo.

Angela Merkel durante a recepção a Passos Coelho abriu uma frente de batalha entre Berlim e os países do sul, ao afirmar que "na Grécia, Espanha e Portugal não se devia poder reformar mais cedo do que na Alemanha" ou "não podemos ter uma moeda única onde uns têm muitas férias e outros poucas". Estas afirmações não deixam dúvidas quanto aos objectivos da Alemanha, a solidariedade cada vez mais necessária, nos tempos que correm está a esgotar-se.

A minha esperança já se esfumou, pois o governo não vai ter coragem para reduzir o número de Câmaras Municipais, juntas de freguesias, tudo vai continuar na mesma e mais uma oportunidade vai passar, sem que as grandes reformas estruturais, de que o Estado português necessita urgentemente sejam levadas a cabo. Sem isso não se consegue cortar na despesa do Estado.

A única coisa que o primeiro-ministro tirou da cartola é errada. Compreendo que seja necessário subir impostos, mas não vai resolver literalmente nada, porque quando aumentamos os impostos a despesa também aumenta. Estes impostos vão destruir as empresas e desestruturar as famílias, no final fica tudo pior, ou seja, não há empresa e não há impostos, porque a empresa desapareceu e as famílias portuguesas acabam por falir financeiramente.

publicado por franciscofonseca às 18:49
sinto-me:

Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
16

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29


subscrever feeds
TIME
Google Analytics

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
VISITANTES
blogs SAPO