Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Europa caiu numa melancolia profunda

por franciscofonseca, em 19.12.11

Como escreveu um grande economista “o sistema monetário de um país é o reflexo de tudo o que a nação quer, faz, sofre, é”. A crise que se abateu sobre a União Europeia vai muito mais além do que o euro. À medida que os títulos da dívida, as cotações das ações e dos bancos se afundam, que a probabilidade do mundo vir a enfrentar uma nova recessão se avoluma, a principal preocupação dos dirigentes europeus está centrada, na tentativa de evitar que ocorra um colapso económico e financeiro.

O euro só se pode tornar numa moeda sólida se os europeus conseguirem obter respostas sobre algumas questões fundamentais, das quais tem fugido como o diabo foge da cruz. E na sua essência está a forma como os diferentes países pretendem enfrentar um mundo em mudança contínua e acelerada. Como enfrentar um processo de globalização que tem retirado ao Ocidente a supremacia tecnológica que o tornou rico? Como lidar com o problema de uma Europa envelhecida que cada vez mais se assemelha à península ocidental de uma Ásia pujante?

Os europeus estão envolvidos num debate intenso, do qual resultará o estabelecimento de novos limites para o estado social; um novo balanceamento entre a Alemanha, a França, e a Inglaterra, que estabelecerá o novo rumo da EU e do euro. O receio que alguns países não consigam honrar os compromissos assumidos pela sua dívida está a arruinar os bancos europeus, principais detentores dessas dívidas.

As medidas de austeridade que estão a ser implementadas, que conduzirão necessariamente ao abrandamento da atividade económica, agravam mais o problema. Se os países entrarem em recessão, as dificuldades dos governos em honrarem os seus compromissos aumentarão. E essa possibilidade enfraquece ainda mais a posição dos bancos, com consequências ao nível do investimento e do crédito disponível.

Será que a Europa é capaz de se afastar do abismo? Só se um grupo de países decidir apoiar os outros, desde que estes estejam dispostos a submeter-se a reformas políticas, sociais e económicas radicais. E que ninguém tenha a mínima dúvida sobre quão difícil será levá-las a cabo. Já agora alguém sabe dizer-me que reformas estão a ser feitas em Portugal?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D