Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

21
Dez 15

BANIF.jpg

Que chatice, vamos ter de pagar o roubo feito no BANIF. Nada de anormal, ainda estamos a pagar o BPN, BPP e o BES, que diferença faz mais um, o Zé aguenta, tem de aguentar! Não lhe resta outro remédio. Muitos dirão,  isto é o reflexo da debilidade do sistema bancário português, outros que se trata de uma cambada de criminosos e outros ainda que foi culpa da gestão incompetente danosa.

Já escrevi algumas vezes neste blog que vivemos tempos do primado financeiro sobre a economia, a sociedade e os povos. Os governos, as instituições estão sequestradas pelos senhores do poder absoluto, os banqueiros que continuam a roubar o Zé sem quaisquer escrúpulos, não olhando aos meios, para alcançar os fins.

Nem vou falar das entidades reguladoras, Banco de Portugal, BCE, CMVM, entre outros, porque estes pertencem todos a família do poder absoluto. Daqui nunca vamos ficar a saber para onde foram os milhões, que aumentaram a canga do Zé.

O meu Portugal fica cada dia mais pobre e a canga do Zé cada vez mais pesada. Miserável miséria onde 20% dos Zés são pobres ou em risco de extrema pobreza. Bem, mas do mal o menos, o Banif já foi vendido, a fatura já foi passada e a conta do Zé creditada. Com mais debates e opiniões tudo fica resolvido.

Então o que fazer para acabar com este estado de coisas. Deixo algumas reflexões. Primeiro, os Zés têm de ficar mais atentos e desconfiados. Segundo, os vampiros e as sanguessugas que continuam a ser rotulados de grandes gestores, que promiscuamente influenciam e se misturam com os representantes das instituições têm de ser varridos borda fora, custe o que custar. Por último, acabar com esta ingenuidade reinante e por termo a este triste fado.

publicado por franciscofonseca às 15:24

06
Dez 15

ingenuidade europeia.jpg

As políticas económicas de austeridade impostas na Europa, a partir de Berlin, com o consentimento de Paris, Londres e Bruxelas, ao longo dos últimos anos aumentaram exponencialmente as desigualdades sociais dentro destes mesmos países, assim como, em todos os outros países do espaço da União Europeia.

Esta realidade é perfeitamente identificada nos 64 bairros franceses altamente problemáticos, repartidos por 38 cidades, desenhando uma mancha que mistura exclusão e violência. A esmagadora maioria dos seus residentes é de origem estrangeira e uma proporção significativa das famílias são muçulmanas. A periferia de Paris forma uma constelação de aglomerados de alto risco, uma espécie de "apartheid territorial, social, étnico e religioso" que forma um garrote pronto a asfixiar a capital.

Bem sei que o desejo natural da maioria das pessoas é ter uma vida normal. As falhas na integração das populações estrangeiras e as desigualdades sociais, mesmo a marginalização racial e cultural, não são, nem só por si nem necessariamente, autoestradas para a violência e para o terrorismo.

Analisando a situação como uma certa prudência, em França e noutros países europeus, seria um erro ligar, imigração, etnicidade, pobreza, dificuldades de integração social, religião, discriminação, com focos de criminalidade ou de terrorismo.

Mas por outro lado, não podemos deixar de constatar, que é nestes espaços onde a maioria dos jovens encontrou terreno fértil para iniciar os processos e radicalização. Os últimos acontecimentos confirmaram que os terroristas dos atentados de Paris e os suspeitos de planearem mais ataques são originários ou são procurados em Paris e em Bruxelas nestes bairros.

O terrorismo que assola a Europa é uma extensão religiosa a partir do fundamentalismo islâmico. Osama bin Laden, por exemplo, não era um desprovido, mas herdeiro de uma família saudita rica. Também não era um guerrilheiro de esquerda, um altruísta que dedicou sua vida a defender as massas desprovidas, nem extremista de direita. Era um radical ideológico cuja bandeira única era a reprodução de conceitos fundamentalistas e a realização de atos de terrorismo. É impossível analisar, elencar as causas, combater as raízes deste fenômeno ignorando as características regionais, onde o Estado Islâmico, a Al Qaeda e outros grupos terroristas estão sediados.

O estado da arte demostra os perigos a que está exposta a humanidade numa ordem mundial marcada pela violação sistemática do direito internacional, o militarismo, o intervencionismo, a guerra como meio de política externa e o desrespeito à soberania nacional.

Na minha modesta opinião, a luta contra o terorismo não está nas mãos dos Estados e governos cujas políticas apenas têm gerado instabilidade e crises. Bem pelo contrário, exige a mobilização dos povos, das forças amantes da paz e da democracia, de todos os que lutam por uma sociedade livre da ingerência imperialista e por soluções justas para os conflitos internacionais. Esta luta tem de partir em primeiro lugar dos principais países mulçumanos, como a Arábia saudita, o Qatar, Kuwait, Emirados Arabes Unidos, entre outros.

Os casos das intervenções militares no Iraque, Afeganistão e Líbia sempre escudadas na lutra contra o terorismo, apenas produziram caos, estados falhados e deixaram terrenos férteis para os grupos extremistas. A intervenção que se prepara na Síria não fugirá a regra e para além do caos que produzirá será ao mesmo tempo um novo Vietnam, para as reclamadas botas que pizarem o terreno.

publicado por franciscofonseca às 21:44

Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

10 seguidores

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO