Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As agências de notação financeira foram as principais responsáveis pela crise, que teve o seu início em 2007. Os produtos mais tóxicos facilmente obtiveram as notações mais elevadas, para que os investidores os adquirissem. As grandes perdas do sistema bancário estão a ser pagas, actualmente pelos contribuintes. Mas, apesar disso, as agências continuam a influenciar as políticas dos países, nomeadamente nas de apertar o cinto, pois caso contrário ameaçam com a descida do rating e, o consequente aumento dos custos do crédito.

A fraude está bem montada, as empresas do Capital Group e do Capital World Investors, são as maiores accionistas da Standard & Poor’s, e da Moody’s. Estas empresas detêm um significativo investimento em títulos das dívidas soberanas da Irlanda, Grécia, Portugal, entre outros. Assim, pelo menos duas das maiores accionistas das agências de notação do mundo agem e beneficiam directamente do mercado, pois a sua evolução é fortemente condicionada pelas suas próprias agências de notação. Foi possível verificar a sua intervenção no mercado português.

Quem não se lembra da empresa financeira, do agora preso Bernad Madoff, que teve sempre a melhor classificação, em AAA, até surgir a hecatombe financeira. Quem não se lembra do banco Lehman Brothers, que tinha sempre a máxima classificação até a sua falência.

A frágil e fragmentada União Europeia, devido a aliança franco-alemã sente-se impotente e com enorme frustração por não conseguir supervisionar a actividade das três grandes agências de notação norte-americanas. Este é hoje, o grande instrumento de manipulação dos mercados utilizado pelos Estados Unidos, para disfarçarem o seu enormíssimo endividamento externo, mas cuidado com os abutres.

Como cereja em cima do bolo temos o Fundo Monetário Internacional (FMI), que só no caso português vai lucrar cerca de 550 milhões de euros. A ausência de crises financeiras internacionais é, em si mesma, uma crise para o FMI. Sem crises não há empréstimos, sem empréstimos não há rendimentos e sem rendimentos não há empregos.

Os governos eleitos democraticamente ficam impedidos de adoptar as suas políticas em matéria de finanças públicas. A dívida acumulada portuguesa está muito abaixo de outros países europeus, nomeadamente a Itália. O défice orçamental é inferior ao de muitos países europeus. Porque fomos nós os escolhidos? E porque será que as próximas vítimas vão ser a Bélgica, Itália e Espanha? Estas respostas ficarão para outro post.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Maresia a 14.04.2011 às 09:21

Sempre ouvi dizer a crise de uns é a oportunidade de outros.
Começa tudo a parecer uma fantochada encenada.
Porque é que a maioria dos intervenientes no nosso país no F.M.I . e do Fundo Europeu é alemã?
Que só por pura coincidência a Alemanha é nossa maior credora.
Isto começa a ser abusivo. A Europa está a criar situação tipo EUA eles para venderem armamento nós Europa para vendermos euros
Imagem de perfil

De franciscofonseca a 14.04.2011 às 11:10

Obrigado pelo seu comentário. Não poderia estar mais de acordo com esse ponto de vista! Mas existe muito boa gente que não consegue ver, as vista são muito curtas.
Sem imagem de perfil

De Urantia a 15.04.2011 às 14:57

Ainda hoje, a investigação de dois anos dos senadores norte-americanos, revelou documentos das duas agências que mostram como a Moody's e a S&P estavam, já em 2006, avisadas quanto ao problema do mercado hipotecário e não fizeram nada para evitar o problema. A conclusão desta investigação é a que ( já sabido) as agência de rating estão na origem da crise financeira mundial de 2008. Pessoalmente não acho que sejam elas só as úncias responsáveis pelo crise 2008, nem pela situação actual que se vive pela Europa. Estamos a esquecer quem está por de trás destas agências: (Banca, Fed), Banco Central Europeu....
Uma das instituições financeiras do BCE é o Bank of England 15,9764 %, que detêm quase 16%. Como é possível, se a Ingalterra não aderiu à Comunidade Europeia? O Banco Central Europeu é um banco Privado. Esrá tudo dito
Imagem de perfil

De franciscofonseca a 15.04.2011 às 16:06

Obrigado pelo seu comentário. Todos temos uma cota de responsabilidade nesta crise económico-financeira , que Portugal tem em braços, mas que as agências de rating e os senhores abutres do capital financeiro deram uma grande ajuda, disso não tenho dúvidas.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D