Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Quem pode tirar Portugal da crise?

por franciscofonseca, em 15.04.11

Portugal andou a gastar mais do que tinha, durante muito tempo, por isso chegámos a esta crise económica e social profunda. O processo de reequilíbrio das contas do país vai demorar muito tempo, vai ser muito doloroso para a maioria dos portugueses. O país tem graves deficiências estruturais ao nível do funcionamento do Estado. Muitos governos tentaram fazer reformas, mas quase todas elas ficaram pelo meio do caminho, pois a resistência das chefias intermédias, normalmente cooperativas com interesses instalados impediram a sua concretização.

Por outro lado, os partidos políticos em Portugal foram transformados em corporações de barões, que só pensam nos seus interesses individuais, que influenciam transversalmente toda a sociedade, todas as estruturas do Estado, chegando à justiça. Os cidadãos estão preocupados apenas com os seus direitos, sendo poucos aqueles que percebem que os deveres vem em primeiro lugar, enquanto inseridos na sociedade.

Como já referi anteriormente, a meritocracia não existe, os lugares estão sempre reservados para os detentores dos cartões partidários. Penso que esta crise constitui uma grande oportunidade, para redesenhar uma nova configuração das nossas instituições políticas. Seguidamente, reformular as estruturas mentais dos políticos, de forma, a que a sua actuação seja em prol do interesse público e não do interesse dos lobbies instalados.

Então, só mesmo os portugueses é que podem retirar o país desta crise. É urgente uma revolução nos comportamentos de todos nós, para assim sermos mais produtivos, competitivos, criativos, empreendedores, na nossa vivência diária. As políticas económicas, sociais, têm de ser feitas pelos portugueses. A reacção tem de ser nossa, evitando os erros do passado e olhando para a frente, acreditando no nosso futuro colectivo e demonstrando que não necessitamos do FMI, nem de qualquer outra organização externa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:53


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D