Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O mundo vai continuar na contramão

por franciscofonseca, em 26.12.11

Com a firme certeza que não será o fim do mundo em 2012, mas a tarefa que nós espera não será fácil. Os principais problemas que assolaram a humanidade neste incerto 2011 continuarão a manifestar-se, nomeadamente as perturbações na economia política global. A agenda global para 2012, quer a nível político, económico, ambiental e tecnológico está repleta de questões que exigem soluções globais.

O Ocidente em crise económica e a Ásia em crescimento rápido. No Médio Oriente várias alterações políticas perturbadoras estão em marcha. Quanto a África, o cenário continua o habitual tanto a nível económico como político e como enormes desafios humanitários. Espero que no próximo ano o mundo entenda os novos termos políticos, económicos que exigem novas abordagens e renovadas formas de relacionamentos num mundo globalizado.

O planeta continua a sofrer disrupções económicas. As crises das dívidas, os crescentes desequilíbrios nas trocas comerciais, o desemprego crescente e a distorção dos mercados financeiros são a prova, que a ordem imposta a seguir à segunda guerra mundial se tornou obsoleta e incapaz de lidar com questões e tendências complexas, inter-relacionadas e globais.

Na questão da escassez de recursos naturais e alterações climáticas, o mundo caminhará para um desastre económico, social e ambiental, devido ao impacto das condições climáticas extremas e do aumento da escassez dos recursos naturais como a água, a energia e os alimentos. A comunidade internacional deverá exercer a sua liderança no sentido de um compromisso renovado para as questões das emissões e da escassez de recursos.

A revolução digital ocupa um lugar no centro da sociedade humana. O cidadão digital está a influenciar a opinião pública, não só como consumidor mas também como produtor de informação. Todavia, esta explosão em termos de ativismo encerra alguns riscos: inflama o extremismo e a “desobediência” civil. O mundo digital está a desafiar a legitimidade das estruturas de governança existentes e a soberania dos Estados. Assim, novos modelos de governança para a Internet começarão a emergir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:20


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D