Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Instituições, economistas, políticos, todos dizem que a economia vai recuperar. Mas todos estão errados, porque o crescimento económico na realidade já terminou. Antes, os impérios cresciam e caiam. Mas com a revolução industrial o crescimento rápido tornou-se normal. Os economistas dizem que foi por causa da inovação, pela divisão do trabalho e pelo aumento do comércio. Mas foi principalmente resultado do acesso à energia barata.

Os combustíveis fósseis aceleraram o comércio alimentando as nossas preciosas invenções, comboios, carros e aviões. Os esconomistas assumiram que o crescimento poderia continuar para sempre. É completamente absurdo. Ninguém parou ainda para pensar que todo esse crescimento industrial ocorreu num pequeno planeta com petróleo e solos limitados e apenas com uma certa quantidade recursos naturais.

Hoje, todos falamos em crescimento económico. O aumento do PIB (Produto Interno Bruto) tornou-se a principal medida do sucesso. Mais, maior e mais rápido, o que significa melhor. Há muito que se chegou à conclusão, que há limites para o crescimento.

Governos, empresas e famílias começaram a devorar o crédito fácil. O sistema financeiro criou mecanismos de derivados e títulos cada vez mais complexos para absorver toda a dívida, e fazer crescer constantemente lucros imaginários sobre ativos imaginários. Em 2008 a bolha explodiu. Governos e os Bancos trataram de reinflacioná-la com pacotes de resgate e estímulos financiados pela dívida pública. Mas há limites práticos para a dívida, e estamos a alcança-los.

Há limites práticos para as fontes de energia, e estamos a alcançá-los. Não houve crescimento económico real. Não há recuperação. Tudo foi feito com mais dívida. Temos hipotecado o futuro dos nossos netos, e para impedir que a economia recaia devemos consumir ainda mais. Impossível, eu não consigo. Chegamos ao fim do crescimento económico como o conhecemos! As troikas estão a mentir e a insistir num modelo de crescimento económico falido.

Todos queremos melhores empregos, melhores rendimentos, mas vivemos num planeta com limites! Nós podemos viver sem crescimento ecónomico! Mas temos de começar a fazer algumas coisas de maneira diferente. Temos de avaliar e promover melhorias de vida que não requeiram aumentar o consumo de combustíveis fósseis e de outros recursos finitos, ou aumentar a dívida. Quanto mais adiarmos isso mais díficil será. O crescimento económico acabou, temos de mudar para algo diferente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:09


12 comentários

Sem imagem de perfil

De marlo a 30.01.2012 às 03:01

Veja no meu blog Os minutos ruins que a Coca-Cola faz e você nem percebe http://esplay.blogspot.com/2012/01/os-minutos-ruins-que-coca-cola-faz-e.html
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 30.01.2012 às 03:34

Energia Nuclear não é limitada. Podemos ter limites físicos mas não de energia. Sempre existirá crescimento. Há anos atras não se falava em comercializar a ida ao espaço. Um salário minimo na Irlanda é o equivalente a R$3.000 reais...nós estamos muito longe disso. Brasil, China e India ainda tem muito o que crescer.
Imagem de perfil

De franciscofonseca a 30.01.2012 às 06:27

Obrigado pelo comentário. Os países emergentes vão crescer se tiverem acesso ao petróleo barato, caso contrário será muito difícil .
Sem imagem de perfil

De Davi a 30.01.2012 às 18:53

O petróleo e o gás tem seus preços fixados pela bolsa de commodities, então os países do Bric ( Brasil Russia Índia e China, usamos esta denominação pois são países em crescimento que tem condição de atingir os mesmos patamares de países desenvolvidos a médio prazo) não terão acesso mais barato a combustíveis fosseis. Como no caso do Brasil mesmo que o petróleo seja da Petrobras é vendido mercado interno pelo preço do mercado externo.

O que você chama de crescimento econômico nada mais é do que um dos ciclos do capitalismo, formam-se bolhas econômicas que quando rompidas geram crises. Esse fenômeno é próprio do capitalismo.

Quanto a produção propriamente dita é obvio que ela é limitada pelos recursos disponíveis, mas crescimento não é somente reflexo de maior exploração dos recursos, é também reflexo de otimização. O melhor exemplo interessante das montadoras por fazerem carros que utilizem menos combustível para se locomoverem, como o Smart.

O correto não é parar de crescer como você da a entender, é direcionar nossos esforços na otimização dos recursos existentes.


Imagem de perfil

De franciscofonseca a 30.01.2012 às 19:17

Obrigado pelo comentário muito interessante. O que eu defendo é um novo crescimento sustentado em novos fatores . Porque o crescimento económico mundial tal como está concebido acabou.
Sem imagem de perfil

De as a 30.01.2012 às 05:39

O capitalismo desde sua essencia foi um sistema falho e contraditório , com certeza não é o melhor e mais justo mas também é o melhor disponível.
Sem imagem de perfil

De Renan Buchelt a 30.01.2012 às 15:03

Eu não concordo com nada quando alguém diz "não dá pra fazer", "é o fim"... O princípio da inovação é buscar caminhos diferentes pras dificuldades atuais... Se o combustível da economia até hoje foi energia, estamos em uma época de transição, onde estamos saindo dos combustíveis fósseis pra uma energia mais eficiente e menos poluidora. Ainda vai demorar pra isso se firmar?? claro... ainda existem reservas de petróleo e enquanto houverem essas reservas, não haverá interesse em outra coisa. Nada mais normal. Vivemos em um mundo capitalista. Mas você queria o que? Comunismo? Eu sou capitalista assumido. O capitalismo tem suas falhas, mas é o sistema menos falho. Ou então voltaremos a viver na idade da pedra... É mais confortável e democrático que o comunismo.
Imagem de perfil

De franciscofonseca a 30.01.2012 às 16:36

Obrigado pelo comentário muito assertivo . Quando falo em mudar para algo diferente, não me refiro a mudar do capitalismo para o comunismo , esses são os vencedores e os derrotados do século passado. Refiro-me sim aos recursos naturais que o nosso planeta dispõe, que são finitos. O crescimento económico como o conhecemos é baseado no consumo desenfreado de recursos naturais, que não tem em conta as consequências, olha somente na vertente dos lucros. Um dia o preço a pagar pode ser muito elevado.
Sem imagem de perfil

De felipe facioni a 30.01.2012 às 17:50

bem como podemos perceber voces estao bem atrasados , a enegergia hoje nao é problema voces deveriam procurar um pouco sobre isso

eolica que é muito antiga na verdade

solar , nao so os paineis solares que temos nos tetos das casas , hoje estuda a captaçao de imensas quantidades de energia liberado pelo sol diretamente do espaço

e o acelerador de particula

o consumismo so deixara de existir quando tudo for acessado por todos , oque é mutio dificil a cada momento é criado um bem de consumo inovador o que nos faz necessitar dele .
Imagem de perfil

De franciscofonseca a 30.01.2012 às 18:02

Obrigado pelo comentário interessante. Todas essas energias já hoje são uma realidade, mas incapazes de substituir o petróleo. Os recursos naturais não são inesgotáveis, têm limites de consumo, assim como o crescimento económico, da forma que está concebido.
Sem imagem de perfil

De Daniel Calou a 30.01.2012 às 19:05

O crescimento econômico não depende só da geração de energia. Ele pode até ficar limitado enquanto nosso recursos naturais ficarem escassos mas estamos longe dos limites de energia e recursos q nosso planeta pode fornecer.
Crescimento depende muito mais do aumento da população e de quanto um país consegue manter a igualdade entre as pessoas (se desenvolver).
Grosso modo, se o aumento do PIB for maior q o crescimento populacional quer dizer q a economia cresceu e as pessoas tem maior poder de compra.
É um assunto muito complexo pra ser tratado em poucas linhas mas eu recomendo o livro "Crash! - Uma Breve História da Economia - Da Grécia Antiga ao Século XXI"
Imagem de perfil

De franciscofonseca a 30.01.2012 às 19:18

Obrigado pelo teu comentário e pela recomendação do livro.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D