Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

30
Mai 16

Escuridão.jpg

O projeto europeu tinha como grande objetivo enterrar estes monstros em definitivo. Passados estes anos de integração europeia intermitente, com recuos e avanços, a crise económica está a fazer com que o projeto europeu se desintegre e os europeus olhem cada vez com mais ceticismo para a Europa.

O fenómeno ganha cada vez mais força na Europa, os partidos tradicionais estão a desaparecer, por não darem respostas claras às angústias das populações. A tendência dos partidos de extrema-direita com ganhos importantes de popularidade manifestou-se mais recentemente na Áustria, mas também em França, no Reino Unido, na Alemanha, Suécia, Holanda, Finlândia, Hungria, Áustria, Letónia e Grécia.

Perante esta falta gritante de respostas por parte das instituições europeias, crescem os partidos xenófobos, nacionalistas, antieuropeus. As principais divisões são de ordem política, em torno de questões como a União Europeia, os refugiados, a confiança no sistema político vigente.

Do outro lado do atlântico o panorama é delicioso para os politólogos, mas muito preocupante para o futuro dos norte-americanos e do mundo em geral. Mas os motivos que colocam Donald Trump com grande popularidade são muito idênticos, aqueles que na europa potenciam o crescimento da extrema direita. Nos EUA a classe média tem cada vez mais dificuldade em acender.

Quem diria que nos primeiros anos deste século, a América e a Europa chegariam a um impasse. Os responsáveis políticos mundiais e principalmente europeus têm de encontrar uma forma de disseminar o sentimento de entusiasmo e de esperança para as pessoas, caso contrário, os povos poderão mergulhar novamente na escuridão profunda.

publicado por franciscofonseca às 19:59

11
Jan 15

Europa a preto e Branco.jpg

Os atentados de Paris mostraram a grande ameaça que paira sobre a Europa. Esta ameaça tem duas vertentes, que representam duas realidades antagónicas e com práticas diferentes, mas com um vetor comum: a intolerância. Os atacantes do Charlie Hebdo representam as pessoas, os grupos fanáticos que reivindicam uma versão do islamismo que vai contra os princípios do próprio Islão, ou seja, o terrorismo fundamentalista islâmico de cariz jihadista. Do outro lado estão as pessoas e os grupos neofascistas, de extrema-direita que se agarram a bandeira do anti-islamismo e que representam o terrorismo de cariz antijihadista.

A primeira realidade resulta da desestruturação do Iraque e da Síria, onde o Estado Islâmico encontrou território fértil para enraizar o fanatismo, negando valores e direitos, inclusive o direito à vida como ficou claro no ataque ao Charlie Hebdo. A segunda realidade resulta de uma crise económica e financeira, acompanhada por uma austeridade que se institucionalizou como paisagem social, na maioria dos países europeus, em prol dos mercados financeiros.

Os partidos, os políticos e as instituições europeias têm andado, nesta última década a brincar com o fogo e quer-me parecer que não existe uma verdadeira vontade de mudança, que faça alterar o desenrolar dos acontecimentos. Um bom exemplo disso é o fato de a maioria dos países europeus preferirem exacerbar o sentimento antirrusso e anti-Putin, dando apoio a grupos da Ucrânia que são, declaradamente, fascistas, homofóbicos e até antissemitas.

Neste momento o que aterroriza a Alemanha e muitos países europeus não é que a extrema-direita esteja em ascensão em muitos países da Europa, mas sim se o partido de extrema-esquerda, o Syriza venha a vencer as eleições na Grécia, forme governo, pondo em risco os sacrossantos pilares da austeridade. Assistimos a negação da democracia no seu próprio berço, com ameaças de expulsão da Grécia da zona euro e até da própria União Europeia, chantageado um povo a favor da continuidade da política económica e financeira, que tem arrastado milhões de europeus para a miséria.

Caso não haja, urgentemente, um volte face deste estado de coisas, podemos estar a assistir ao suicídio do projeto e do sonho europeu. Se este suicídio vier a ter lugar, o futuro não será nem bom para a Europa, nem para o mundo. É imperioso que todos os Estados europeus tomem consciência da gravidade da situação, que promovam uma verdadeira cultura de democracia e que pugnem incessantemente pelos valores do multiculturalismo.

publicado por franciscofonseca às 12:51
sinto-me:

Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Google Analytics

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
blogs SAPO