Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

11
Jun 13

A doença da economia da zona euro continua a ser o encolhimento do PIB. O pior é que a doença está a espalhar-se para além dos países do sul da Europa. Apesar dos cortes brutais na despesa pública, os défices dos governos são persistentes e continuam elevados. As dívidas pública, das famílias e das empresas continuam excessivas de uma forma generalizada. As empresas estão a sofrer um bloqueio violento ao crédito, apesar das taxas de juro permanecerem muito baixas.

Todos estes fatores potenciam um enorme sofrimento aos cidadãos no presente e corroem as perspetivas de futuro. A zona euro, segundo os políticos europeus, não está a beira do colapso, mas a sua letargia arrepiante não é sinal de convalescença, mas sim de decadência. Os líderes europeus têm de ser sacudidos, abanados para saírem da sonolência, para agirem e enfrentarem os problemas que trouxeram a zona euro à estagnação e poderão levar a sua dissolução.

A américa recuperou mais depressa que a Europa não só porque foi menos austera, mas também porque sanou rapidamente os problemas da sua banca, para que esta estivesse em melhores condições de conceder crédito á sua economia. Os bancos europeus necessitam de financiamento a qualquer custo, mas os fantasmas do passado ainda pairam no ar, relativamente à desconfiança em relação à especulação financeira e principalmente bancaria.

A representatividade política europeia está em crise, pois, os eleitores sentem-se cada vez mais ressentidos e revoltados tanto com os seus próprios políticos como com a própria União Europeia. Por um lado, defendem que a zona euro se mantenha unida, por outro, são contra as reformas complexas que estão em curso. Aqui está a principal receita para a inação dos políticos europeus.

As grandes decisões para a reforma da zona euro esperam pelas eleições alemãs. Mas a relutância germânica em relação ao euro é cada vez mais profunda. E o relacionamento franco-germânico, que sempre foi crucial para a evolução da Europa, está bloqueado. Se depois das eleições alemãs a zona euro tropeçar, o custo será gigantesco, quer em desilusões, comunidades arruinadas e vidas e gerações desperdiçadas. Enquanto a estagnação e a recessão pairarem sobre a democracia, a zona euro arrisca-se a uma rejeição popular fatal. Acordar para a realidade é extremamente urgente.

publicado por franciscofonseca às 22:56
sinto-me:

05
Jun 11

Em dia de eleições em Portugal, escolhi falar sobre ditadores. O que motiva alguns ditadores continuarem agarrados ao poder, nos países árabes? Os bombardeamentos da OTAN chovem em Tripoli, mas Khadafi continua no poder. Na Síria, Bashar al-Assad já tirou a vida a mais de um milhar de cidadãos, na tentativa de acabar com os protestos. O presidente do Iémen, Ali Addullah Saleh recusa-se abandonar o poder, apesar da grande agitação vivida no país.

Se pesquisarmos nas bibliografias de Estaline, Mao, Saddam Hussein, Adolf Hitler, Mugabe e Salazar, verificamos que existem padrões que moldam estas personalidades ditatoriais. Mas até ao momento, ainda nenhuma pesquisa concluiu como é que os líderes se transformam em ditadores.

Existem características que são comuns, como por exemplo a psicopatia. Os psicopatas são normalmente assassinos, mentirosos, impulsivos, brutais e cruéis, o que acontece com a maioria dos ditadores.

Alguns ditadores são narcisistas e paranóicos, normalmente os seus subordinados não têm autorização para os questionar. Ignoram a realidade que os rodeia, perdem a capacidade de auto analise e o mundo a sua volta é visto de forma automática e simplista. O poder faz com que haja um afastamento da realidade, com o passar dos anos. Quase todos eles sofrem aumentos da sua loucura, à mediada que vão envelhecendo.

Os ditadores não compreendem que chegaram ao fim, Saddam Hussein poderia ter suplicado pela sua vida, Mubarak deveria ter deixado o Egipto antes da resignação, Khadafi deveria retirar-se antes de tudo perder e Hitler poderia ter acordado a paz. A questão é que os ditadores são belicamente fortes e psicologicamente fracos. Quase todos são incapazes de implorar e por isso acabam aniquilados.

publicado por franciscofonseca às 16:08

Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30
31


Posts mais comentados
TIME
Google Analytics

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
TRANSLATE THIS BLOG
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
VISITANTES
blogs SAPO