Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Países de má sorte para se nascer mulher

por franciscofonseca, em 03.07.12

Muitas tradições horrendas, como a escravatura, casamento infantil ou o infanticídio no feminino continuam a ser práticas em muitos países que compõem o G20. O pior país para se nascer mulher é a Índia, onde as mulheres e as raparigas continuam a ser vendidas como objetos, a serem obrigadas a casar-se, em muitos casos, com apenas 10 anos, a serem queimadas vivas devido a disputas relacionadas com o seu dote e, no que respeita às mais jovens, a serem abusadas como escravas do trabalho doméstico.

Tanto ao nível legal como social, as mulheres na Arábia Saudita são cidadãs de segunda classe. Proibidas de conduzir, o que consiste num símbolo de enorme restrição no que respeita à mobilidade das mulheres, não existe qualquer lei que as proteja da violência doméstica e, em tribunal, o testemunho de um homem vale pelo de duas mulheres.

As mulheres indonésias sofrem atos de violência sexual todos os dias, sendo a violação a forma mais frequente dessa violência. Outras formas incluem o tráfico, o assédio e a exploração sexual, em conjunto com a tortura.

Apesar dos progressos inegáveis para as mulheres no que respeita a leis e participação política desde o final do apartheid, a África do Sul possui ainda uma das mais elevadas taxas de violência sexual com base no género do mundo.

No México as taxas de violência contra as mulheres são extremamente elevadas, sendo esta de natureza doméstica, sexual e relacionada com drogas. A china apresenta níveis de descriminação de género extraordinariamente elevados. A preferência pelo filho-homem tem igualmente sérias consequências no desenvolvimento social e económico do país. Milhões de raparigas são dadas como mortas e desparecidas devido a práticas de infanticídio.

A violência doméstica é uma prática disseminada na Rússia, país onde não existem leis de proteção para a mesma, sendo que não existe qualquer tipo de justiça para as vítimas. A prostituição não tem estatuto e as profissionais da área são frequentemente agredidas pela polícia. O tráfico de seres humanos é igualmente uma questão preocupante.

As mulheres e as raparigas na Turquia continuam a ser mortas em nome da honra ou da castidade, a serem forçadas a casamentos precoces ou a escravatura doméstica, sendo sujeitas a todos os tipos de violência. As mulheres são extremamente sub-representadas na força de trabalho e nos órgãos de decisão, ao mesmo tempo que o conservadorismo se torna cada vez mais usual na política, restringindo a liberdade das mulheres e reforçando os papéis de género tradicionais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01

Mulheres iranianas treinam para serem ninjas

por franciscofonseca, em 21.02.12

No Irão, país onde as mulheres são estereotipadas como tipicamente pertencentes ao sexo fraco, onde necessitam de proteção do homem, e onde não têm acesso à totalidade dos direitos que são conferidos aos homens desta mesma sociedade, estão a ser treinadas, cerca de 3500 mulheres, para virem a ser ninjas.

Muitas são as técnicas de defesa e de ataque ensinadas, baseadas nas técnicas dos antigos guerreiros japoneses. Estas mulheres são treinadas debaixo da supervisão das autoridades da Federação de Artes Marciais do Irão.

A arte dá pelo nome de Ninjutsu, um desporto marcial japonês, que se está a espalhar entre as mulheres, como forma de revolução da sociedade patriarcal que vigora no país. A lição mais importante no ninjútsu é o respeito, a humildade e a tranquilidade.

Este desporto atrai as mulheres, pois revela-se como forma de manter o equilíbrio entre o corpo e a mente. As mulheres iranianas são coletivamente mais fortes do que fazem parecer debaixo do chador.

Cada vez mais os iranianos acreditam que Israel vai fazer despoletar um conflito. Esta crença faz com que o povo iraniano se mentalize e se prepare para a guerra, incluindo as mulheres. Estas ninjas podem ser chamadas, em caso de conflito militar, para defenderem a sua pátria. Não duvido, de que são dotadas de força, habilidade e prontidão capazes de causar perturbação e baixas no inimigo.

O Irão registou avanços tecnológicos para lidar com energia nuclear, onde se inclui a capacidade para enriquecer urânio, o que faz suspeitar de que possa estar a fabricar armas nucleares. A comunidade internacional está a fazer uma forte pressão sobre o Irão, que poderá resultar na ativação de uma nova Guerra Fria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D